Greve de surfistas

Fonte da imagem: http://josiasdesouza.folha. blog.uol.com.br/images/Greve.jpg

Por Rafael Fortes

“Os sindicatos fazem greve/Porque  ninguém é consultado”, cantam os Titãs em “Desordem” (Sérgio Britto/Marcelo Fromer/Charles Gavin). A música – minha favorita na longa discografia da banda – apareceu no disco Jesus não tem dentes no país dos banguelas, de 1987.

Uma das características marcantes dos anos 1980 no Brasil – sobretudo quando se olha para os dias atuais – é a capacidade de mobilização dos trabalhadores. Tal fenômeno estava articulado a um longo e difícil processo de reorganização de instâncias coletivas da sociedade brasileira, que avançou a partir dos últimos anos da década de 1970. Durante os governos de um general (João Figueiredo), e de um civil (José Sarney, cuja carreira política se desenvolveu no seio da ditadura e da Aliança Renovadora Nacional – Arena – e cujo nome tem estado em voga na mídia nos últimos meses), trabalhadores, moradores e sem-teto, gays, mulheres, negros, jovens, católicos, povos indígenas, agricultores com e sem terra, estudantes, seringueiros, praticantes de religiões perseguidas, vítimas de discriminação e muitos mais se (re)organizaram em partidos, associações, sindicatos, movimentos, grupos, ligas, comunidades, clubes, centrais, agrupamentos, uniões. O próprio ato de reunir-se continha um significado político. Tratava-se, em boa parte dos casos, não apenas da defesa de interesses de grupo ou corporativos, mas de reivindicar direitos.

No caso das entidades representativas dos trabalhadores, a greve constituía o instrumento mais radical e, ao mesmo tempo, mais poderoso de luta por aumento salarial, por direitos e por melhores condições de trabalho e de vida. E as greves aconteciam com frequência que, ao se observar o presente, parece impressionante. Os defensores de uma certa ordem vigente – entre os quais encontram-se os meios de comunicação corporativos -, encaravam tais manifestações como desordem – a ótima letra da música citada trava justamente esta discussão. Você, leitor, deve estar se perguntando: mas o que isso tem a ver com esporte?

Em março de 1988, Fluir publicou um artigo intitulado “Primeira greve no surf brasileiro”. Começava assim:

Os surfistas profissionais brasileiros, durante a realização da primeira etapa do 2º Circuito Brasileiro de Surf, cruzaram os braços e se declararam em greve, pleiteando uma maior premiação. Essa situação tomou a manchete dos maiores jornais do país e a pauta dos noticiários esportivos de rádios e TVs.

Como em qualquer categoria houve negociação, concessões de parte a parte e um acordo celebrado.

O longo texto prossegue com informações sobre premiação, contratos, reivindicações dos atletas e argumentos das várias partes envolvidas. A complicada disputa envolvia surfistas, empresas patrocinadoras das etapas, Rede Globo (que comprara a exclusividade de cobertura do circuito) e organizadores. Nos cinco parágrafos da “conclusão”, chama os envolvidos ao “bom senso”. A revista diferencia as empresas que investem no surfe (citando como exemplo as que se dispuseram a patrocinar etapas do primeiro circuito, realizado em 1987) dos “novos oportunistas” – estes, sim, deveriam sofrer cobranças.

A adoção de uma postura classista pelos atletas reunidos no Rio de Janeiro para a etapa inaugural do Circuito Brasileiro 1988 não ocorre no vácuo, mas em meio a dois processos mais amplos. Primeiro, o de comercialização e profissionalização do surfe no país. A realização do segundo circuito, os acordos comerciais fechados em torno do mesmo e o possível crescimento das cifras formam o quadro em que os atletas decidiram reivindicar aumento na premiação. Neste caso, Fluir intercede colocando panos quentes no conflito entre atletas e empresas do ramo (a visão da publicação a respeito do papel desempenhado pelas empresas é assunto para outro artigo).

Segundo, o processo de mobilização da sociedade brasileira, ao qual me referi no início do texto.

Como a história também é feita de acontecimentos fortuitos, cabe acrescentar uma curiosidade: segundo Fluir, um dos fatores que contribuíram para a tomada de consciência e a mobilização da “categoria” por melhores premiações foi a falta de ondas por vários dias consecutivos.

*  *  *

Duas observações para encerrar:

Um dos grandes baratos de estudar história do esporte é justamente relacioná-lo com o contexto e o tempo social em que se insere e se desenvolve. É nesta perspectiva – compartilhada por todos que fazem parte do Sport – que busco desenvolver meu trabalho.

A relação entre música e surfe dá pano para manga. Seja nos anos 1980, antes ou depois; no Brasil e em outros cantos deste vasto mundo. Voltarei ao assunto posteriormente.

*  *  *

Para saber mais:

Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Publicado pelo CPDOC/FGV, possui diversos verbetes disponíveis para consulta na internet – mediante cadastro -, entre eles “José Sarney” e “ARENA”.

NEVES, Lucília de Almeida (1989). Democracia, República e cidadania hoje. Análise e Conjuntura, Belo Horizonte, v. 4, n. 2-3, maio/dez., p. 339-347.

REIS FILHO, Daniel Aarão (2002). Ditadura militar, esquerdas e sociedade. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Coleção Descobrindo o Brasil)

Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: