Na terra com os olhos no céu

 

Cleber Dias

cag.dias@bol.com.br

A implementação de recursos tecnológicos no esporte tem permitido muitas e agudas transformações nas diversas formas de praticá-lo. Entre as vivências esportivas em meio à natureza tal afirmação mostra-se particularmente verdadeira. O surgimento de certas modalidades praticamente só se tornou possível graças ao papel desempenhado por novos materiais e equipamentos. O caso do vôo livre é emblemático nesse sentido.   

Em 1951, o norte-americano Francis Rogallo registrou a patente das suas “asas flexíveis”, um novo tipo de suporte para o vôo que já vinha sendo rudimentarmente desenvolvido pelo próprio Rogallo desde 1947. A NASA, que estudava um meio de re-introduzir cápsulas espaciais na órbita da terra por meio de um pára-quedas direcionável se interessou pelo invento e deu início ao projeto PARASEV (Paraglider Rescue Vehicle), utilizando uma estrutura metálica de asas flexíveis, apoiada num triciclo e rebocada por avião. Uma vez em vôo, desconectava-se a asa, que seguia planando até o solo.

Nos anos 60, o australiano John Dickenson, inspirado nas asas flexíveis de Rogallo, cria um novo modelo semelhante, mas com varas de bambu e velas de plástico, mais tarde substituídas por alumínio e nylon. Em 1963, também na Austrália, Dickenson realiza seu primeiro vôo rebocado por um barco, em espetáculos, ao que parece, bastante populares na ocasião. Em 1966, Al Hartig segue as tentativas de aprimoramento, fazendo desenhos de asas mais semelhantes com os modelos que conhecemos atualmente. Consta que foi em 1968 que Bill Moyes – exímio acrobata que se apresentava em asas rebocadas – realizou o primeiro vôo na Austrália partindo de um ponto fixo e elevado.

O espetaculoso Bill Moyes em ação

O espetaculoso Bill Moyes em ação. Disponível em: http://www.moyes.com.au/gallerydetail.asp?ID=6&Cat=

 

 Assim, novas tecnologias iam servindo como suporte para a experimentação de outras possibilidades corporais. Com o incremento desses recursos, até mesmo formas mais agudas e intensas de vôo tornavam-se possíveis.

Claro que entre sua mera concepção e sua popularização muitos outros aspectos para além da tecnologia pura e simples iriam interferir. Mas isso pode ser assunto para outras oportunidades.

Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: