Política, literatura e atributos atléticos: comparações e analogias no século XIX

por Fabio Peres[i]

Logo após a conquista da Copa de 62, Carlos Drummond de Andrade propôs em tom de graça e entusiasmo que a seleção brasileira deveria ocupar todos os postos ministeriais. Afinal, a vitória não significava pouca coisa. O bicampeonato “lavou os corações“, “uniu os desafetos” e “tornou possível a solução imediata dos problemas que nos afligem“. A crônica, publicada em 20 de junho de 1962, no Correio da Manhã (p.6), destacava com certa ironia as vicissitudes da conjuntura política da época:

“Este bi veio na hora H. Os políticos procuram um rumo para a nação e não o encontram, ou querem encontrá-lo fora do lugar. A mudança do Gabinete, que devia ser caso de rotina, assumiu ares de problema grave, e ninguém sabe como compor a nova equipe dirigente. Ninguém? É exagero. Modestamente vos proponho a equipe ideal, que não é nem pode ser outra senão a equipe detentora da Taça Jules Rimet […]”.

O escrete que compunha a então Seleção de Ouro possuía, de acordo com Drummond, as qualidades necessárias, tanto pessoais como técnicas, para o desempenho das funções do Gabinete e de cada pasta ministerial:

“Naturalmente o primeiro-ministro há de ser o Mauro, capitão do escrete. Bem o merece. É zagueiro, isto é, jogador de defesa e não do ataque, e isso convém a um primeiro-ministro, que se requer cauteloso, resistente, preocupado em proteger nossa vasta retaguarda […] Um velhinho sabido como Nilton Santos fica certo na Justiça, para distribuí-la ou negá-la como de mister, impor respeito e conduzir o jogo político à base de vivências, usando se preciso, seus traiçoeiros disparos. Na Fazenda, pede-se Gilmar, tão econômico no deixar passar gols; defendeu a meta como o Tesouro […]” (20/06/1962, p.6).

E por aí vai Drummond escalando o time de ministros. Didi, hábil em estabelecer com estilo e elegância nossa “independência no meio campo das nações“, para o cargo de  chanceler. Zagalo, pela sua polivalência, poderia estar em várias pastas (Agricultura, Indústria e Comércio, Minas e Energias ou Viação). Garrincha teria o privilégio de escolher aquela que fosse de seu agrado (afinal, “todo Ministério é pouco para este em sua simplicidade arguta“). Vavá e Amarildo sorteariam entre si a da Guerra. E os outros jogadores, bem como a comissão técnica, não seriam esquecidos, havendo lugar para todos. No caso de Pelé, “até ministro sem pasta honraria o Gabinete” (a crônica pode ser lida na integra no final do post).

Mas o que tudo isso tem a ver com a ginástica e a política praticadas no século XIX?

Nos últimos posts, argumentamos que o espraiamento da ginástica na sociedade da Corte se deu de forma multifacetada, através de um conjunto variado de atores, ideias e instituições (e não de maneira linear e unívoca como as teses, em geral, têm defendido). Não por acaso, chegamos a destacar em outra ocasião (Melo & Peres, 2013) que o termo no singular não seria nem mesmo o mais apropriado: existiam ginásticas, com diferentes técnicas e funções, que se manifestavam no Segundo Reinado.

Como diversas fontes têm sugerido, a presença de tais práticas na vida social carioca era maior do que se poderia supor. Talvez alguns dos indícios mais significativos dessa presença sejam aqueles justamente em que a ginástica figura em situações e espaços sociais que não são comumente identificados nas pesquisas tradicionais como “o” foco de origem de sua “difusão” ou “imposição”. Além das escolas, das instituições médicas, das instituições de defesa e, de modo geral, do Estado, a ginástica também estava nos teatros, nos circos e, por incrível que possa parecer, na literatura do século XIX.

Por certo, muito longe de gozar da mesma popularidade do futebol na época da crônica de Drummond, as referências literárias à ginástica podem ser encaradas como um sinal, entre outros, de sua vulgarização; que se dava, é bom lembrar, de modo desigual e heterogêneo entre os estratos sociais da cidade.

Em 1855, Joaquim Manuel de Macedo estabeleceu – assim como faria Drummond aproximadamente um século depois[ii] – relações entre atributos políticos e atléticos[iii] em suas obras. Também em tom zombeteiro sobre a troca de ministros e o oportunismo político, o escritor destacava em “A carteira de meu tio” que o estadista deveria aprender a arte da ginástica[iv].

O romance, que foi publicado em forma de folhetim na Marmota Fluminense, é narrado sob a perspectiva do sobrinho (do tio em questão), que decide, depois de passar alguns anos na Europa, ingressar na vida pública brasileira e se tornar político. Com traços que beiram o realismo, a obra – também caracterizada como uma crônica romanceada – traz à tona de maneira bastante bem-humorada o confronto entre, de um lado, as abstrações das leis (presentes na Constituição de 24, chamada no romance como defunta) e, de outro, a realidade e o cotidiano da pátria em meados do século XIX. Nesse cenário, em que há mistura de história e ficção, a sátira e a ironia são utilizadas como crítica à sociedade política imperial[v].

O trecho descrito na Marmota Fluminense (08/05/1855) começa quando o protagonista querendo se esquivar de uma visita indesejada, pula por uma janela, entrando em casa, sem que o visitante perceba: “de um salto puz-me dentro, e fui pé ante-pé recolher-me ao meu quarto“.  E cinicamente dispara contra as intempéries políticas do Império:

“Não tenho vergonha da acção, que pratiquei: não são somente ladrões e os namorados, que entram pelas janellas em vez de entrar pelas portas; os grandes políticos da escola do eu, que como se sabe, é predominante na actualidade, as vezes, e sempre que necessário aos seus interesses, pulam também pelas janellas para dentro do ministério, e até mesmo se sujeitam, a fim de chegar ao poleiro, a espremer-se tanto, que chegam a fazer caminho por qualquer buraquinho de rato” (p.1, grifos do autor).

Complementa o protagonista, fazendo referência à ginástica enquanto ponte tragicômica entre a análise pragmática da política e o sentido figurado e alegórico da prática corporal:

“É por isso que eu sustento que a gymnastica é uma arte indispensável aos estadistas: a politica toda se reduz a saber atacar e retirar, saltar e correr, agarrar e comer, tudo muito opportunamente […] só quem já foi ministro duas ou trez vezes pelo menos, e aproveitou-se do ministério para arranjar a vida, é que póde deitar-se todas as noites em colxões macios. Eu heide chegar lá; porque bons mestres me tem dado exemplos admiráveis, e aberto uma estrada, em que não se acha estrepe, nem atoleiro ” (08/05/1855, p.1-2, grifos nossos).

O romance de Joaquim Manuel de Macedo é apenas um exemplo da presença da ginástica na literatura do século XIX. Muitas referências podem ser encontradas nos periódicos do Segundo Reinado. Várias delas utilizaram o termo “ginástica” em sentido figurado[vi]. Tal polissemia, a nosso ver, estava associada a um compartilhamento, mesmo que mínimo, do que significava ginástica e dos papéis e valores atribuídos a ela, possibilitando assim usos por metáfora, metonímia, extensão de sentido etc. Mas isso fica para outra ocasião.

xxx

EM TEMPO 1: este post é dedicado ao seu Oswaldo (in memoriam); amante e profundo conhecedor de futebol, samba, política e, sobretudo, da vida.

EM TEMPO 2: em sua homenagem, reproduzo a seguir a crônica “Imagens da Vitória. Seleção de Ouro” de Carlos Drummond de Andrade, publicada em 20/06/1962 no Correio da Manhã (p.6).


[i] Esse post é fruto das conversas e pesquisas realizadas no âmbito do projeto “O corpo da nação: educando o físico, disciplinando o espírito, forjando o país: as práticas corporais institucionalizadas na sociedade da Corte (1831-1889)”, que conta com o apoio da FAPERJ e do CNPq e é coordenado por Victor Andrade de Melo.

[ii] Vale destacar que desde 1931, pelo menos, o tema futebol esteve presente de forma intermitente nos escritos de Carlos Drummond de Andrade. Com a conquista da Copa de 58, ele já havia aventado a possibilidade do presidente convidar determinados jogadores para pastas ministeriais. Maiores informações ver ANDRADE, Carlos Drummond. Quando é dia de Futebol.  Rio de Janeiro: Record, 2002.

[iii] Estamos utilizando o termo “atlético”, considerando que a ideia de desempenho atlético não se restringe exclusivamente a requisitos corporais ou físicos tomados em sentido stricto.

[iv] Joaquim Manoel de Macedo também fez menção à ginástica na obra Memórias da Rua do Ouvidor (1878), publicada originalmente em folhetins semanais no Jornal do Comércio.

[v] Maiores informações ver QUEIROZ, J. M. A carteira de meu tio: ficção e história em Joaquim Manuel de Macedo. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais, v. 2, p. 1-10, 2010.

[vi] Não era raro, por exemplo, o uso da noção “ginástica política”, geralmente utilizada como categoria de acusação, isto é, em sentido pejorativo.

 

Anúncios

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: