Ginástica alemã na África colonial

Sílvio Marcus de Souza Correa
Institut d’études avancées de Paris

.

A ginástica fez parte dos fundamentos da cultura física na Alemanha desde o último quartel do século XIX. Em 1884, quando o imperialismo alemão entrou na “Partilha da África”, a ginástica se tornou uma prática esportiva recomendada aos corpos expostos aos rigores mesológicos do continente africano. As sociedades de ginástica (Turnvereine) tiveram um papel fundamental na organização da vida social e desportiva das comunidades alemãs, especialmente aquelas de Swakopmund, Windhoek, Lüderitzbucht e Keetmanshoop, na então colônia alemã do sudoeste africano (atual Namíbia).

Juntamente com as caçadas e as corridas de cavalo, a ginástica foi a base do incipiente campo esportivo na África colonial. A ginástica serviu ainda como forma de treinamento, pois o conflito armado fazia parte da ordem colonial. Para a prática da ginástica, havia treinos semanais e torneios anuais. Para a prática da ginástica, uma série de materiais era importada da Europa, especialmente da Alemanha. Autoridades locais, comerciantes, funcionários da administração colonial, oficiais da marinha ou da tropa militar, familiares e demais amadores do esporte formavam um público cativo em competições e torneios e, por conseguinte, eram também protagonistas do incipiente campo esportivo do sudoeste africano.

Apesar do apartidarismo político e religioso de seus estatutos, as sociedades de ginástica foram espaços sociais onde se propagaram algumas ideologias. Na colônia alemã do sudoeste africano, por exemplo, as sociedades de ginástica participaram não apenas para a formação do campo esportivo, mas também para a manutenção e propagação do germanismo e para a estruturação de um calendário esportivo nos quais os torneios eram também momentos de celebração do colonialismo.

.

silvio.11

 .

As sociedades de ginástica do sudoeste africano

As primeiras sociedades de ginástica do sudoeste africano foram fundadas em Swakopmund (1898) e Windhoek (1899). Segundo matéria do jornal Windhoeker Anzeiger, de 14 de fevereiro de 1900, entre os objetivos das sociedades de ginástica estava a prática de exercício para a força física e mental e a “preservação de um saudável sentimento patriótico”. Outras sociedades de ginástica foram fundadas durante a guerra colonial (1904-1908) como a sociedade de ginástica de Keetmanshoop e a de Lüderitzbucht, fundadas respectivamente em 20 de abril e 26 de novembro de 1907.

EmKaribib e Usakos também surgiram sociedades de ginástica. Até na Cidade do Cabo foifundada uma sociedade de ginástica em meados de 1911 com 30 membros ativos. Os treinos eram realizados na escola alemã (Deutsche Schule), na Queen Victoria Street.

As sociedades de ginástica tinham um estatuto próprio. Mas a orientação era comum e seguia, de modo geral, a matriz alemã. Segundo o estatuto da sociedade de ginástica de Keetmanshoop, o seu duplo objetivo era o aperfeiçoamento físico e espiritual e a preservação do germanismo. Para isso, fazia-se necessário o treinamento regular e os torneios em vida associativa.

Em contexto colonial, a prática da ginástica era uma forma de distinção entre os adventícios e os nativos. Mas ela também servia para marcar diferenças no interior da comunidade germânica na colônia alemã do sudoeste africano. Dito de outra forma, as sociedades de ginástica eram instituições de controle social.

Conforme o estatuto dasociedade de ginástica “Gut Heil” estava proibida a candidatura de qualquer cidadãocom menos de 17 anos, conscientemente contrário ao germanismo e/ou que fosse casadocom mulher de cor. Uma vez preenchidos os critérios para a candidatura, essa deveriaser formalizada por escrito. Em reunião mensal da sociedade, elegia-se em votaçãosecreta os novos membros. Para um nome ser aprovado era preciso a concordância damaioria dos associados presentes na reunião. Já um associado inadimplente ou queperdesse o seu direito de cidadania ou fosse condenado por algum crime poderia serexcluído da sociedade de ginástica.

Em suma, os valores implícitos ao germanismo e ao colonialismo alemão parecem incontornáveis à compreensão sociológica e histórica da emergência das sociedades de ginástica na então colônia do sudoeste africano.

.

silvio.12

 .

Referências

CORREA, S. M. S. As corridas de cavalos na colônia alemã do sudoeste africano (1884-1914). Cadernos de Estudos Africanos, p. 02-18, 2013.

CORREA, S. M. S. Caça e preservação da vida selvagem na África colonial. Esboços Revista do PPGH/UFSC, v. 18, p. 164-183, 2012.

CORREA, S. M. S. Colonialismo, germanismo e ginástica no sudoeste africano. Recorde: Revista de História do Esporte, v. 5, p. 134-156, 2012.

.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: