Pesquisando história do surfe no Sul da Califórnia

Por Rafael Fortes

San Diego é uma das principais cidades de surfe do mundo (cidade de surfe sendo a tradução possível de surf city). A afirmação pode parecer, a princípio, exagerada.

Darei, então, alguns exemplos e informações para justificá-la. Antes, ressalto que tal exuberância de manifestações da cultura do surfe é observada também nos condados litorâneos californianos que se sucedem rumo ao norte, até Santa Barbara: Orange County, Los Angeles, Ventura e Santa Barbara. Neles estão dezenas de praias, picos ou cidades importantes na história do surfe, como Huntington Beach, Malibu, Rincon, Santa Monica e Venice. Os cinco condados entre San Diego (ao sul) e Santa Barbara (ao norte) são uma das caracterizações do que constitui o Sul da Califórnia (Southern California). A definição é imprecisa, mas a expressão é muito utilizada em todos os âmbitos, inclusive o acadêmico. Por exemplo, numa dissertação de mestrado defendida em 1992, Wallace Zane afirma que ficou impressionado com a quantidade de imagens do surfe usadas em anúncios de diferentes produtos na televisão canadense, e que “as representações de surfistas que se vê na mídia nacional são quase sempre aquelas dos surfistas sul-californianos” (p. 1). Grosso modo, esta região engloba praias, indústria, mídia (editoras de revistas de surfe, produtoras de filmes especializados de surfe, Hollywood), moda, campeonatos, ídolos, música e outros aspectos relevantes das representações construídas a respeito do surfe (e do skate) a partir da segunda metade do século XX.

Foi nesta região que morei entre setembro de 2015 e agosto de 2016, realizando um estágio pós-doutoral – com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) – como pesquisador-visitante no Departamento de História da University of California, San Diego (UCSD).

San Diego

San Diego sediou dois dos seis campeonatos mundiais de surfe realizados entre 1964 e 1972. Antes da criação do circuito mundial profissional em 1976, eles eram a principal competição internacional da modalidade. Depois, continuaram sendo a mais importante no âmbito amador (Warshaw, 2003, p. 710-11).

A cidade conta com praias que atraem grande número de surfistas: Mission Beach, Ocean Beach, La Jolla Cove e La Jolla Shores, entre outras. A imensa quantidade de turistas na cidade (mais de 30 milhões por ano), vários deles dispostos a pagar por aulas para (tentar) surfar pela primeira vez, somada às milhares de pessoas de fora morando por alguns meses ou anos (militares, estudantes e pesquisadores), muitas das quais também dispostas a aprender a pegar onda, inviabilizam a possibilidade de localismo. Este fica restrito a certas praias ou pedaços, permitindo que vários trechos sejam um playground alegre para haolespregos e iniciantes.

O Condado de San Diego é um dos mais extensos dos Estados Unidos. Reúne uma quantidade ainda maior de praias, que se estendem desde Tijuana Sloughs, próxima à fronteira com o México, até San Onofre. No meio, algumas cidades com forte cultura praiana e presença do surfe: Imperial Beach, Coronado, Del Mar, Solana Beach, Encinitas, Carlsbad e Oceanside, além das praias na costa da base militar de Camp Pendleton (que incluem as famosas San Onofre e Trestles). Imperial Beach, por exemplo, tem um “Museu a Céu Aberto de Pranchas de Surfe”, com esculturas com as silhuetas de modelos de pranchas de diferentes décadas (imagens do folder de divulgação abaixo). Há também pranchas em exibição dentro de um prédio administrativo próximo ao pier local.

Imperial Beach0002 Imperial Beach0001

 

 

 

 

 

San Diego é sede de empresas de surfwear, como a Reef Brazil, dos proprietários argentinos Fernando e Diego Aguerre. O primeiro é também presidente, desde 1994 (sim, também no surfe dirigentes ocupam cargos durante décadas), da Associação Internacional de Surfe, a federação internacional responsável pela modalidade – e que coordenou os esforços que resultaram na recente inclusão nos Jogos Olímpicos de 2020.

Na cidade há também empresas de skatewear e alguns importantes e tradicionais fabricantes de pranchas de surfe (e/ou skate), como Gordon & Smith.

ACA PCA 2017A força da associação com surfe também se mostra no âmbito acadêmico. À esquerda está a ilustração do anúncio do congresso das Associações de Cultura Popular e de Cultura Americana, que em 2017 ocorrerá em San Diego. Em primeiro plano encontra-se o item principal acionado para representar a cidade: uma prancha de surfe (no caso, de longboard). Ao fundo aparecem ícones locais como o museu porta-aviões e o Hotel del Coronado. A cor laranja é uma referência ao sol e ao céu, e as palmeiras… bom, estas são onipresentes no Sul da Califórnia.

Universidades, centros de documentação e bibliotecas

Sendo um elemento cultural, econômico, social e político relevante, estranho seria se o surfe não fosse objeto de pesquisa nas universidades locais. Ele é.

Na UCSD há investigações sobre o tema a partir de variadas perspectivas e áreas. Conheci dois físicos que desenvolviam pesquisas sobre as ondulações do mar com o objetivo de aprimorar a fabricação de piscinas de ondas, de maneira que as ondas artificiais imitem, o máximo possível, as da natureza. No primeiro semestre de 2015, a universidade anunciou a fabricação da primeira prancha produzida usando material secretado por algas em laboratório.

Em março de 2016, fotografei três de cerca de dez cartazes espalhados pela rua de pedestres que dá acesso à espetacular biblioteca central da universidade, a Geisel. Da esquerda para a direita, se lê nas imagens abaixo:

– 4a. melhor universidade pública dos EUA

– Top 15 no mundo em impacto científico

– Campus número 1 do país para surfar

20160312_151558 20160312_15180420160312_151626

 

Ou seja, além de objeto de pesquisa, no caso da UCSD, situada em La Jolla, o surfe é também um mecanismo de atração de estudantes.

Na San Diego State University (SDSU), o setor de Coleções Especiais e Arquivo Universitário (SCUA, na sigla em inglês) mantém acervos relacionados a temas específicos, como movimentos religiosos alternativos, história em quadrinhos, estudos judaicos e surfe. Segundo me informaram os funcionários, uma volumosa doação espontânea incentivou o SCUA a instituir uma coleção dedicada ao surfe. Desde então, o setor recebeu outras doações, como uma recente (2015) com centenas de periódicos de Kurt Ledterman, morador de San Diego e ex-editor da revista Surfer. Como é comum nos EUA, após o falecimento do dono da coleção, um membro da família procurou uma universidade cuja biblioteca pudesse ter interesse pelo material e fez a doação. Durante os meses que passei pesquisando o acervo de surfe do SCUA, vi algumas dezenas de pessoas aparecerem para doarem itens, especialmente para as coleções de ficção científica, fanzines e história em quadrinhos – em alguns casos, elas já sabem que instituição procurar, pois conhecem as coleções/especialidades de cada uma. Além disso, o SCUA tem orçamento para aquisição de obras raras – há uma política ativa de compras, além do recebimento de doações. Afinal, uma das funções da biblioteca é funcionar como um centro de pesquisa e documentação, o que pressupõe a constituição, manutenção e ampliação de acervos.

A coleção de surfe tem diversos materiais, como fotos, pôsteres, cartões postais, livros, revistas e manuscritos. Entre as revistas, meu objeto principal de pesquisa, há dezenas de títulos de vários países, incluindo do Brasil.

A SDSU conta também com um Centro para a Pesquisa do Surfe, coordenado por um professor da Escola de Turismo e Hospitalidade. Ainda nas Humanidades, em abril deste ano, por exemplo, foi defendida uma dissertação de mestrado em História intitulada The Girls Who Surf: Women in Surfer Magazine, 1963-1976 [As garotas que surfam: mulheres na revista Surfer (1963-1976)], de Jasmine Tocki.

As bibliotecas das universidades são integradas numa base chamada Circuit. Nela é possível consultar os acervos e, mediante login e senha (os mesmos da sua universidade de origem), solicitar o empréstimo das Livros 3 bibliotecasobras. Ao fazer a reserva, o usuário escolhe em qual biblioteca de sua universidade irá buscá-los (no meu caso, havia três opções). Em uma das ocasiões, fiz a reserva num domingo, e na terça-feira os livros (foto à esquerda) – um da University of San Diego e outro da SDSU já estavam à minha espera na estante do balcão principal. Feito o empréstimo, tive um prazo de devolução de um mês – sim, 30 dias para devolver obras de bibliotecas de universidades diferentes daquela a que estava vinculado. O prazo da biblioteca da UCSD é de um ano e, como pesquisador visitante, eu podia ter até 200 livros emprestados simultaneamente.

Nos acervos encontrei muitos títulos relativos ao surfe: na maioria, obras acadêmicas. Mas também obras sobre o passado e/ou memorialísticas de jornalistas e/ou surfistas, livros de arte (fotografia, música, artes visuais) e guias.

A esta estrutura se soma a da Biblioteca Pública de San Diego (SDPL), com dezenas de filiais espalhadas pelos bairros. O sistema de bibliotecas públicas conta com outro grande acervo relativo ao surfe, tanto de itens que qualquer usuário cadastrado pode pegar emprestados e levar para casa, como filmes em DVD, CDs de música e livros, quanto de fontes para pesquisa na monumental biblioteca central, no Centro. Durante os quase doze meses que passei lá, com a conveniência de uma filial de bairro a duas quadras de casa, consegui ver dezenas de filmes em DVD, boa parte deles relacionados ao surfe.

Tal como nas universidades, a busca e reserva pode ser feita pela internet, as obras disponíveis em qualquer unidade do sistema são transportadas até a unidade de escolha do usuário. Este recebe um email informando que o item está disponível para retirada e pode fazer sozinho o check-out dos livros, usando um cartão com código de barras. A obras podem ser devolvidas em qualquer filial ou depositadas em totens do lado de fora (ou seja, para devolução não é preciso comparecer à biblioteca durante o horário de funcionamento). Dá para renovar os itens pela internet ou telefone, e o sistema envia um email de aviso quando o prazo está para vencer.

Em tempo: meu cadastro era no sistema da cidade. Existe o do condado de San Diego, que conta com outras dezenas de bibliotecas. E existem ainda os sistemas de outros condados e cidades do Sul da Califórnia, que contam com unidades com revistas de surfe entre as dezenas de títulos que assinam e disponibilizam para consulta, leitura, estudo, trabalho e prazer dos usuários.

Museus

O litoral da Califórnia é sede de cinco museus de surfe: California Surf Museum (Oceanside), Surfing Heritage and Culture Center (SHACC, San Clemente), International Surfing Museum (Huntington Beach), Santa Cruz Surf Museum (Santa Cruz) e Santa Barbara Surf Museum (Santa Barbara). A maioria cobra entrada para visitação, geralmente US$ 5. Os dois últimos praticamente se limitam à exposição de pranchas, fotografias e outros itens. Os três primeiros contam também com acervos de periódicos, fotografias e outros documentos, que são disponibilizados para consulta de pesquisadores.

No que diz respeito ao acervo de revistas, um bastante completo é o do California Surf Museum, que conta com uma equipe muito prestativa e uma sala de pequisa confortável. Já no SHACC, a pesquisa é limitada aos sócios – o acervo de lá parece ser bem bacana, também.

Os museus de surfe serão tema de texto específico que publicarei posteriormente neste blogue.

Além de museus específicos, o status do surfe no Sul da Califórnia inclui a presença de pranchas e a realização de exibições e mostras em outros espaços dedicados à arte. O Mingei International Museum, em San Diego, voltado para artesanato e cultura popular, realizou uma exposição de pranchas de surfe que ocupou todo o primeiro andar do prédio entre junho de 2014 e janeiro de 2015. Uma das ênfases do livro resultante da exposição é destacar o papel de shapers de San Diego no desenvolvimento de novos desenhos, tipos e materiais de pranchas (KEVIN, 2014).

 

Referências bibliográficas

KENVIN, Richard. Surf Craft: Design and the Culture of Board Riding. San Diego/Cambridge: Mingei International Museum/MIT Press, 2014.

WARSHAW, Matt. Encyclopedia of Surfing. Orlando: Harcourt, 2003. (Há verbetes disponíveis em: http://encyclopediaofsurfing.com/)

ZANE, Wallace W. Surfers of Southern California: Structures of Identity. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – McGill University, Montreal, 1992.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: