O ESPORTE NO TRAÇADO URBANO ORIGINAL DE GOIÂNIA

Por Jean Carlo Ribeiro (UFT, campus Miracema)

jeancarlo@mail.uft.edu.br

Goiânia, capital do estado de Goiás, começou a ser construída a partir do lançamento de sua pedra fundamental em 1933. Efetivada como município em 1935 e transformada oficialmente em capital em 1937, a cidade foi projetada com uma proposta de ressignificação social ambicionada para o Brasil recém-saído da Primeira República.

As cidades-metrópoles seriam o palco idealizado para a “regeneração humana” em voga. Projetada a partir de valores higiênicos, Goiânia definitivamente incluiria Goiás na reestruturação da nação proposta pelo governo de Getúlio Vargas que, em tese, passava pela interiorização, unindo o litoral ao sertão, promovendo o equilíbrio das suas regiões, amenizando suas desigualdades. A nova capital planejada seria um “símbolo civilizador”, referência desse novo país na hinterlândia brasileira (CHAUL, 1999; CHAUL, 2009).

Incluídas nesse propósito, as práticas físico-esportivas fariam parte do conjunto desse programa político que intencionava cultivar novos hábitos, costumes e experiências que alimentariam uma cultura urbana modernizada (DRUMOND, 2009).

À serviço do governo interventor em Goiás, o engenheiro civil Armando Augusto de Godoy, à época chefe da repartição de urbanismo do Distrito Federal assinou um relatório em 24 de abril de 1933, validando a área para a construção da nova capital do estado nas proximidades da pequena cidade de Campinas, localidade elevada à categoria de município em 1914, cujo censo de 1920 denunciou uma população de 3.878 moradores (BRASIL, 1929).

Vista aérea da cidade de Campinas em 1933. Fonte: Arquivo Corrêa Lima (Coleção de fotos). Disponível em: Pires (2005, p. 289).

O relatório de Godoy buscava legitimar de maneira “técnica” e “científica” a escolha argumentando sobre a “ação civilizadora e econômica” de uma cidade moderna, apontando a falta de um grande centro urbano, como principal causa do “atraso” do estado de Goiás em relação a outras unidades federativas (GODOY, 1933).

Com a definição do local, faltava o projeto de cidade. Com a recusa de Armando de Godoy para tal ofício, surgia o nome de Attílio Corrêa Lima, renomado arquiteto e urbanista com formação e experiência em planejamento urbano no Brasil e na Europa, talvez um dos raros brasileiros na época, capaz de atender as expectativas de modernidade almejadas.

Tendo pela frente o desafio de colocar uma “cidade no papel”, em julho de 1933 o arquiteto se mudaria do Rio de Janeiro para o sertão goiano com a esposa e o filho de 4 anos, ocupando uma das três casas de madeira construídas no canteiro de obras (DINIZ, 2007).

O decreto estadual n° 3.547 de 6 de julho de 1933, previa a estrutura do projeto urbanístico e o que deveria conter no traçado da nova capital. Em seu item terceiro, letra “e”, como parte da organização do plano diretor da cidade, o documento apontava a previsão de terrenos para esportes e recreio, além de outros espaços que, em tese, seriam acolhedores à momentos de lazer, passeio, descanso e divertimento da futura população como sistemas de parques, jardins e arborização das ruas.

Cumprindo o decreto, Corrêa Lima demonstrou nos traços do plano original da cidade a influência do urbanismo clássico juntamente ao seu ideal estético de modernidade, traduzindo em larga medida, os desejos políticos do “moderno no sertão”. Ainda em 1933, apresentou um esboço desse traçado urbano, exposto na pesquisa de Diniz (2007). O destaque em cores feito pela autora, nos dá uma ideia de como a cidade foi pensada a partir de zonas e parques.

Implantação do traçado urbano de Corrêa Lima para Goiânia
Fonte: Arquivo Corrêa Lima. Disponível em: Diniz (2007, p. 123).

A seta na parte inferior à direita aponta para o norte. Ainda à direita do desenho, na cor marrom, está a cidade de Campinas (atualmente bairro de Goiânia), cuja praça central (hoje, Praça Joaquim Lúcio), dista aproximadamente 5 quilômetros de onde se iniciariam as obras do “Palácio do Governo” no “Centro Administrativo”, atual Praça Cívica (na cor branca).

Em preto, o “Setor Central” com destaque para o triângulo em vermelho, cujo vértice localizado no “Centro Administrativo”, dá origem às avenidas Araguaia, Goiás e Tocantins. A avenida Anhanguera forma a base do triângulo no eixo leste-oeste, apropriando-se de parte do traçado da antiga estrada de rodagem que ligava a cidade de Campinas ao então povoado de Leopoldo de Bulhões (linha cor-de-rosa) (PIRES, 2005).

Em cinza, o aeródromo com suas duas pistas ortogonais em formato de “cruz” nos sentidos norte-sul e leste-oeste. No projeto, cada uma possuía 1 quilômetro de extensão por 100 metros de largura. Na área em lilás à esquerda das pistas está o “setor Norte”, zona industrial estrategicamente alocada junto ao terminal ferroviário (em salmão).

Em roxo, o “Setor Sul”, tendo logo acima, em azul-turquesa, o “Parque Paineira”, área verde de 16 hectares (ha), localizada no ponto mais elevado do esboço, destinado ao reservatório de água da cidade (DINIZ, 2007).

Outros parques (em verde) protegiam nascentes e matas nativas. Em tom mais escuro, separando o “Setor Central” do “Setor Oeste” (em laranja), o “Parque dos Buritis”, com seus 40ha, destinados à preservação de uma nascente que seria represada com o intuito de formar um lago para atividades esportivas e recreativas.

Já em verde-limão, os “park-ways”, áreas lineares de preservação de matas ciliares dos córregos Botafogo (à esquerda da imagem) e Capim Puba (à direita). O “Parque Botafogo”, projetado para ser o maior e principal parque da cidade com uma área de 54ha, possuía “caminhos naturais”, segundo Corrêa Lima, destinados ao lazer da população (DINIZ, 2007).

À leste (parte esquerda do esboço), na margem direita do córrego Botafogo, Corrêa Lima propôs a abertura de um outro loteamento (em cinza), já prevendo a expansão da cidade. Apesar de estar obrigado a projetar inicialmente uma área para 15.000 moradores, o urbanista devia indicar na planta espaços para comportar uma população de 50.000 habitantes,

A nordeste, a “Represa do Jaó” (em azul-claro, à esquerda da imagem), contenção do rio Meia Ponte com a função de operar a usina hidrelétrica da cidade. Os 4km de comprimento e 500m de extensão em seu ponto mais largo, levaram o urbanista a pensar no local como um “centro de atrações esportivas”, ideal para a prática de diferentes esportes aquáticos e mais um espaço de lazer para a população.

A marca de paisagista se destacou na valorização de espaços ajardinados, como praças, vias públicas e estacionamentos arborizados para veículos. No projeto, a “Avenida Pedro Ludovico” (que, em 1935, seria renomeada para “Avenida Goiás”), “Eixo Monumental” projetado para ligar o centro administrativo à estação férrea, tinha 45% de sua área ajardinada a arborizada (DINIZ, 2007). Trabalhando com o conceito de áreas livres, os setores indicados para abrigar a primeira fase de povoação da cidade, eram contemplados com “playgrounds” (áreas internas nas quadras residenciais).

Ao todo, o primeiro plano urbanístico da nova capital contemplou uma área de 1.082ha, dos quais 375ha (aproximadamente 35%) eram de espaços públicos. Para a vivência de atividades físico-esportivas ou recreativas, foram destinados 162ha, ou seja, quase 15% de toda a área urbanizada da cidade, e 43% de seu espaço público. Além disso, a generosa oferta de parques indicava uma excelente relação de área verde por habitante (ACKEL, 2007).

Especificamente, em relação aos esportes, Corrêa Lima projetou um espaço de 8ha, destinado à prática de diferentes modalidades (MEDEIROS, 2010). Um complexo, nomeado de “Estádio Municipal”, foi alocado na extremidade sul do aeródromo no encontro entre as avenidas Paranaíba e Anhanguera. A praça esportiva era formada por um campo de futebol, pistas para atletismo, corridas e jogos atléticos, arquibancada (voltada para o nascente), 12 quadras de tênis, piscina e sede social (DINIZ, 2007).

A estrutura esportiva jamais sairia do papel em sua ideia e localização original. Somente em 07 de agosto de 1940, por ocasião da visita do presidente Getúlio Vargas à Goiânia (primeiro presidente da república a pisar solo goiano), é que seria lançada a pedra fundamental de um estádio na mesma avenida Paranaíba, mas na esquina com a rua 74, a pelo menos 700 metros do local indicado no plano urbanístico de Corrêa Lima.

Evidenciando símbolos de uma sociedade seletiva e excludente, o urbanista também sugeriu a fundação de um clube esportivo/recreativo exclusivo para as elites da nova capital. Para atender tal demanda, apontou a necessidade de uma área com espaço suficiente para a construção de uma sede social com salão de festas, pavilhão de apartamentos para hóspedes, garagens, além das quadras de tênis e piscina (DINIZ, 2007).

Já em 1935, uma área na avenida anhanguera ao norte do “Parque dos Buritis” foi doada pelo estado de Goiás a uma associação civil constituída para reunir a “alta classe goianiense”, proporcionando-lhes atividades esportivas, de lazer e convívio. Os associados ao “Automóvel Club de Goiaz” inauguraram ali sua sede em 1937.

Apesar do idealismo em atender as expectativas e necessidades de uma “nova sociedade”, em grande medida, boa parte das intenções implícitas no traçado urbano de Goiânia esboçado por Attílio Corrêa Lima em 1933, ficariam comprometidas ao longo do tempo ou sofreriam modificações por dificuldades econômicas, ou mudanças de interesses e prioridades. Alguns aspectos, concretizados totalmente ou em parte, com o tempo seriam reconfigurados atendendo novas tendências e comportamentos sociais relativos ao esporte e ao lazer.

Mesmo com este comprometimento, a inserção de elementos associados ao esporte e aos divertimentos chamam a atenção no traçado urbano inicial da cidade. Certamente estas ideias contribuíram para o início de um ciclo de transição, largamente tratado na historiografia goiana como de significativa transformação estrutural, sociocultural, política e econômica.

Referências

ACKEL, L. G. M. Attílio Correa Lima: uma trajetória para a modernidade. 2007. 342 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de arquitetura e urbanismo, USP, São Paulo, 2007.

BRASIL. Recenseamento do Brasil. Realizado em 1° de setembro de 1920. Volume IV (4ª parte). População. População do Brazil por Estados, Municipios e Districtos, segundo o gráo de instrução, por idade, sexo e nacionalidade. Ministerio da Agricultura, Industria e Commercio – Directoria Geral de Estatística. Rio de Janeiro: Typ. da Estatística, 1929.

CHAUL, N. F. A construção de Goiânia e a transferência da capital. Goiânia: Ed. da UFG, 1999.

CHAUL, N. F. Goiânia: a capital do sertão. Revista UFG – Dossiê cidades planejadas na hinterlândia, Goiânia, ano XI, n. 6, p. 100-110, jun. 2009.

DINIZ, A. Goiânia de Attílio Corrêa Lima (1932-1935) – Ideal estético e realidade política. 2007. 240 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, UNB, Brasília, 2007.

DRUMOND, M. Vargas, Perón e o esporte: propaganda política e a imagem da nação. Estudos históricos. Rio de Janeiro, vol. 22, n. 44, p. 398-421, jul./dez. 2009.

GODOY, A. A. de. A mudança da capital do estado. Relatório apresentado ao sr. dr. interventor federal em Goiaz, pelo engenheiro urbanista dr. Armando de Godoi, relativo à construção da nova capital do Estado de Goiaz nas proximidades da cidade de Campinas. 24 abr. 1933. Correio Oficial – Estado de Goiaz, Goiaz, GO, ano LXXVII, n. 2.470, p. 3-7, 11 maio 1933.

GOIAZ. Decreto n° 3.547 de 6 de julho de 1933. Arquivo histórico do estado – Secretaria de Estado da Cultura (SECULT Goiás). Caixa n° 1 – Pedro Ludovico Teixeira, 1932, 1933, 1934, 1935 – Decretos: mudança da capital. Governo Pedro Ludovico Teixeira. 1933.

MEDEIROS, W. de A. Goiânia metrópole: sonho, vigília e despertar (1933/1973). 2010. 333 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de História, UFG, Goiânia, 2010.

PIRES, J. R. Goiânia – La Ciudad Premoderna del “Cerrado” (1922-1938): Modernidad y Ciudad Jardín en la urbanística de la nueva capital del Estado de Goiás. 2005. 374 f. Tese (Doutorado em Teoría e Historia de la Arquitectura) – Departamento de Composición Arquitectónica, Escola Tècnica Superior D’Arquitectura de Barcelona, Universitat Politecnica de Catalunya, 2005.

 

Para saber mais

Esse texto foi elaborado a partir da tese de doutorado, abaixo identificada. Ainda em 2021 será publicado o livro homônimo pela Editora Kelps de Goiânia.

RIBEIRO, Jean Carlo. A capital dos esportes: poder, idealismo e hábitos físico-esportivos no surgimento de Goiânia (1930-1945). 2020, 187 f. Tese (Doutorado em Estudos do Lazer) – Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, 2020.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: