Medicina, ginástica e saúde no Rio de Janeiro do século XIX: preocupações com o sedentarismo em “regiões tropicais”

Fabio Peres e Victor Melo[i]

No último post, contamos um pouco da história de como a ginástica começou a se legitimar como campo de saberes e práticas médicos no Rio de Janeiro do século XIX.

Um dos marcos nessa história ocorreu em 1839, quando um médico publicou um artigo sobre os benefícios da ginástica, especificamente, no Brasil; talvez o primeiro que – diferente dos publicados anteriormente por seus colegas – considerou as relações entre a prática e os aspectos ambientais e demográficos brasileiros.

O texto Longevidade Brasileira, publicado em julho de 1839, na Revista Medica Fluminense[ii] defende que entre os fatores principais que contribuem para a longevidade e a manutenção da saúde está a prática de exercícios (sobretudo, ginásticos). A inação é vista como origem principal de diversas doenças, inibindo funções corporais que favorecem o prolongamento da vida. 

O artigo aponta como consenso científico que a longevidade está necessariamente associada ao cumprimento das regras higiênicas, entre as quais está prática de exercícios.

Um aspecto importante do texto é a tentativa de adequar as teorias existentes, algo que se tornaria comum em parte da comunidade médica nacional, às condições climáticas brasileiras, ao mesmo tempo em que caracteriza melhor os requisitos básicos do que deve ser entendido como exercício:

Se o exercício é necessário ao homem em todos os climas, ele torna-se da maior necessidade ao que habita as regiões tropicais; ali a elevada temperatura da atmosfera abatendo naturalmente a energia de todos os órgãos, faz com que eles para se reanimarem precisem de uma maior atividade. […] Todavia cumpre dizer, que o verdadeiro exercício e o mais útil, é o que põe em jogo todas as partes do corpo, e o que se faz ao ar livre, e de maneira alguma se deve dar este nome as doces oscilações de uma sege, ou de uma cadeirinha […]. As pessoas que tem uma vida sedentária, devem sempre ter presente, que nada é tão próprio no nosso país para reanimar todos os órgãos e excitar agradavelmente o sistema nervoso, como o exercício a pé e ao ar livre (1839, p.140-141).

No ano seguinte, em 1840, foi publicado um texto integralmente dedicado à ginástica na mesma revista médica[iii]. Sob o título Utilidade e necessidade da ginástica, o médico Emilio Joaquim da Silva Maia argumentará, logo na primeira frase, que a prática corporal é uma parte da medicina, ligada a “restabelecer a saúde”, definindo-a:

[…] segundo os autores modernos, “a arte que tem por objeto exercer com método o todo ou parte do sistema locomotor, tanto para aumentar a esfera da ação dos músculos, como para conservar e restabelecer a saúde, e favorecer assim o aumento das faculdades físicas e morais do homem” (1840, p.473).

De acordo com análise do médico, embora sua difusão e desenvolvimento encontravam-se bastante atrasados no país, a ginástica seria um dos mais poderosos recursos da higiene e da terapêutica, o que justificaria não somente a presença de algumas páginas dedicadas a ela na Revista Medica Fluminense como de certa forma evidenciaria que naquele momento existiam resistências à prática; no campo médico e nas diversas instituições sociais no Império.

Após uma descrição pormenorizada sobre os diversos efeitos locomotores, fisiológicos, intelectuais etc., inclusive utilizando para isso autores antigos e modernos da medicina como fundamento de suas assertivas, Maia advogará a generalização da prática corporal nos colégios brasileiros, em geral, e particularmente no Colégio Pedro II. Era o indício de uma relação, que se tornaria cada vez mais consistente naquele e no século seguinte, entre ginástica, educação e medicina. O campo da “ginástica médica” adquiria novos contornos. Mas essa história ficará para o próximo post.


[i] Parte do texto foi publicado originalmente em: PERES, Fabio de Faria e MELO, Victor Andrade de. O trato da gymnastica nas revistas médicas do Rio de Janeiro na primeira metade do século 19. História da Educação [online]. 2015, v. 19, n. 46, pp. 167-185. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/2236-3459/46494> ISSN 2236-3459.

[ii] Revista Medica Fluminense, ed.4, Julho de 1839, p. 139-146.

[iii] Revista Medica Fluminense, ed.10, Julho de 1840, p. 473-481.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: