Adhemar Ferreira da Silva: representações de um herói olímpico (parte 2)

11/07/2021

Fabio Peres e Victor Melo[i]

Após a vitória 1952, em Helsinque, as notícias veiculadas nos periódicos revelavam, mesmo sem querer, nuances e ambiguidades – pouco visíveis e invisibilizadas – da construção da nossa identidade nacional.

No olhar de muitos cronistas, as representações sobre Adhemar orgulhavam mais por serem ecoadas pelas agências internacionais de notícias, que o descreviam como “um negro alto, de longas pernas” que:

“[…] obteve ainda um grande sucesso de simpatia quando, depois de receber sua medalha de ouro, efetuou espontaneamente uma volta na pista, cumprimentando a multidão, encantada com a maneira pitoresca pelo qual o atleta brasileiro expandiu sua alegria”[ii].

Em outra ocasião, uma agência ressaltou a “modéstia” do atleta: “Limitei-me a fazer o possível”, “não contava fazer nada parecido com isso”[iii], afirmara Adhemar.

Na representação da imprensa do Brasil, os surpreendidos olhos estrangeiros acabavam por confirmar algumas características do caráter brasileiro, pacífico e mestiço, à moda do que tinha sido categorizado por Gilberto Freyre, cujo pensamento na altura já gozava de grande prestígio[iv]. Porém, esses mesmos olhares jogavam luz, de forma não intencional, sobre diferenças na “construção social da cor”.

A célebre cantora e dançarina Josephine Baker, que se encontrava no país para apresentar seu espetáculo, em entrevista intitulada “Quero dar um beijo em Adhemar da Silva”, afirmou que: “uma vitória de um homem de cor é também a minha[v].

Josephine Baker durante sua passagem pelo Brasil na década de 1950 Foto: Theopompo do Amaral/28-08-1952. Fonte: O Globo.

A artista, que gostava “muito de esporte”, amiga de Joe Louis e Sugar Ray Robinson (boxeadores negros americanos)[vi], era ativista dos Direitos Civis e chamava atenção pela sua atitude política, estilo de vida e preferências sociais. Josephine Baker participava de diversas organizações que lutavam contra a discriminação racial. Em sua visita ao Brasil se reuniu com intelectuais, entre eles Edgard Santana (médico, que em parte participava de forma “vacilante” do que foi conhecido como “contra-ideologia racial”), para debater o racismo e articular formas de apoio aos grupos locais[vii].

Para ela, era “muito normal” a admiração que os finlandeses expressaram por Adhemar “porque […] como todos os escandinavos, estão na vanguarda do movimento contra as discriminações raciais”. O que a surpreendeu foi a imprensa brasileira dedicar muitas páginas para um atleta de “cor”. O jornal destacou que a cantora exaltou a consolidação da democracia brasileira:

Mandarei logo 50 exemplares da Última Hora para todos os amigos nos quatro cantos do mundo para mostrar como os jornais de um país democrático dedicam uma justa recompensa a um dos seus grandes filhos. […] A vitória de Adhemar reforça ainda o grande amor que tenho para o Brasil, o país que eu levo no meu coração como o símbolo da democracia das Américas. E quando Adhemar estiver de volta, dar-lhe-ei um grande abraço para agradecer estas emoções que fizeram o dia de hoje o mais feliz dia desde que cheguei no Brasil. Eu sabia que neste país uma coisa maravilhosa via me acontecer. Deus ajuda todos que lutam para um ideal puro [viii].

De maneira ambígua, Adhemar acabava sendo eleito a representante de algo que, de fato, não existia e nunca existiu no Brasil – o mito da harmonia de raças. A valorização de suas conquistas não conseguia mascarar as injustiças de várias ordens que cercavam a população brasileira, inclusive de natureza racial.

Devemos atentar para as nuances que permeavam a vida social brasileira na naquele momento, algo que começara a se gestar na década de 1930, mas que ganhou corpo na década de 1950. No plano cultural, Adhemar e outras celebridades negras ou pardas não eram associados a termos como “negro”, “preto” ou “colored”. Na imprensa e nos meios de comunicação, em geral, essas conotações eram usadas com sentido pejorativo, evidenciando o racismo, ora mais, ora menos, tácito. Adhemar e as demais personalidades eram tratados como “ilustres brasileiros”, sendo suas respectivas “negritudes”, por assim dizer, “visíveis” apenas aos olhos estrangeiros.

De toda forma, o prestígio do país no cenário internacional, de acordo com os periódicos, não era nada trivial. No dia seguinte à vitória, o Correio da Manhã fez questão de registrar que Adhemar não apenas havia sido aclamado como herói pela conquista da medalha, como também por ter realizado um “fato inédito nos anais olímpicos”[ix], bater o recorde mundial por quatro vezes seguidas no mesmo certame. Para o cronista, o feito ajudava a deixar claro o valor do Brasil para o mundo.

O aplauso do público e de outras delegações foi encarado como suposto reconhecimento das qualidades nacionais – a cordialidade, empatia, modéstia:

O Hino Brasileiro foi entoado em coro por todos os torcedores de Adhemar Ferreira da Silva. Em seguida, o titular do segundo lugar nessa prova, o russo Scherbakov, fez questão de demonstrar ao brasileiro sua indizível admiração […] E quando o brasileiro, (…), lançou-se na pista, da qual fez uma volta completa, sob as ovações dos espectadores que o aclamavam e se levantavam à sua passagem; teve-se a impressão de que nem mesmo Zatopek teve tão grande triunfo, em sua vitória na corrida dos 10 mil metros. O público guardará por muito tempo no espirito a imagem do triunfador, detendo-se em meio à corrida para abraçar uma loura admiradora cujo entusiasmo a colocara na linha de frente[x].

José Brígido, do Diário de Notícias, conclamou os leitores a celebrar a conquista da medalha de ouro com “o maior entusiasmo possível, pois fez projetar o nome do nosso país no mais importante certame do mundo e de maneira verdadeiramente sensacional”[xi]. As expectativas de difusão internacional de uma boa imagem do Brasil estavam longe de serem modestas e, mais do que isso, incluíam todos os compatriotas como participes da conquista:

Não resta a menor dúvida que o feito de Adhemar valeu todos os sacrifícios que fizeram os brasileiros para participar deste grande certame, valerá ainda mais porque hoje em todas as páginas, de todos os jornais do mundo, seu nome ao lado do Brasil, estará estampado, todas as difusoras do mundo falarão de sua proeza e o cinema e a televisão reproduzirão as cenas principais de sua prova e tudo isso valerá como grande propaganda da nossa terra e da nossa gente[xii].

O técnico da delegação, Osvaldo Gonçalves, chegou a declarar que, dada a importância do feito para o Brasil, não havia menino que não quisesse se transformar “num Adhemar”[xiii]. Independentemente dos exageros típicos de uma cobertura ufanista, pode-se dizer que o Brasil largamente se irmanou ao redor da vitória de Adhemar:

os aplausos e vivas partem de todos os lados, não só dos desportistas como de todos os funcionários das empresas aéreas e do aeroporto, desde os mais modestos até aos chefes. Era a manifestação de agradecimento de milhões de brasileiros, através de cerca de setenta pessoas, ao maior campeão brasileiro de todos os tempos, autor de uma façanha senão impossível, dificílima de ser igualada por qualquer atleta do mundo[xiv].

Os jornais buscaram sintetizar o orgulho do país construindo laços simbólicos entre o indivíduo e a nação. Adhemar, o “campeão olímpico que assombrou o mundo”, declarou “Venci porque sou brasileiro” [xv]. O herói se punha a serviço da nação.

Última Hora, 11/8/1952, p.7

Quatro anos depois, tais traços da construção da identidade nacional ganharam novas cores e roupagens com a conquista da segunda medalha de ouro. Mas essa história ficará para o próximo post.


[i] Texto publicado originalmente em PERES, Fabio de Faria; MELO, Victor Andrade de. Adhemar Ferreira da Silva: Representations of the Brazilian Olympic Hero. In: Antonio Sotomayor; Cesar R Torres. (Org.). Olimpismo: The Olympic Movement in the Making of Latin America and the Caribbean. Fayetteville: University of Arkansas Press, 2020, p. 95-110.

[ii] Diário de Notícias, 24 jul. 1952, 3ª Seção, p. 3.

[iii] Correio da Manhã, 25 jul. 1952, 2º Caderno, p. 1.

[iv] Para mais informações, ver: GIUCCI, Guillermo; LARRETA, Enrique Rodríguez. Gilberto Freyre, uma biografia cultural: a formação de um intelectual brasileiro (1930-1936). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

[v] Última Hora, 2 ago.1952, 2º Caderno, p. 4.

[vi] Última Hora, 2 ago.1952, 2º Caderno, p. 4.

[vii] Última Hora, 21 jul. 1952, 2º Caderno, p. 12. Sobre contra-ideologia racial, ver FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes (vol 2). São Paulo: Globo, 2008.

[viii] Última Hora, 2 ago.1952, 2º Caderno, p. 4.

[ix] Correio da Manhã, 24 jul. 1952, 2º Caderno, p. 1.

[x] Correio da Manhã, 24 jul. 1952, 2º Caderno, p. 1.

[xi] Diário de Notícias, 24 jul. 1952, 3ª Seção, p. 1.

[xii] Diário de Notícias, 31 jul. 1952, 3ª Seção, p. 3.

[xiii] Correio da Manhã, 25 jul. 1952, 2º Caderno, p. 1.

[xiv] Última Hora, 11 ago. 1952, p. 7.

[xv] Última Hora, 2 ago. 1952, 2º Caderno, p. 3; 11 ago. 1952, p. 7.


O dia em que o Maracanã reverenciou o “maior atleta do mundo”: histórias das (des)construções de uma identidade nacional

10/09/2017

por Fabio Peres[i]

A história é fascinante e cheia de nuances. No dia 19 de março de 1955, o leitor do jornal O Globo era informado sobre uma exibição prevista para ocorrer em abril no Maracanã. O evento se daria antes de uma partida de futebol, o match entre Rio-São Paulo. A ocasião não parecia ser trivial. Uma medalha de ouro, inclusive, estaria sendo cunhada especialmente para a ocasião.

O “grande campeão” a ser homenageado, porém, não era ligado (pelo menos diretamente) ao “mundo” do futebol; já na época o esporte mais popular do Brasil. Mas sim ao atletismo. O triplista Adhemar Ferreira da Silva, campeão olímpico em 1952 (Helsinque), havia conquistado mais uma façanha: bateu o recorde mundial no salto triplo nos Jogos Pan-americanos da Cidade do México com a marca de 16,56m – uma diferença de 33 centímetros a mais, que os periódicos buscavam quase sempre registrar, do seu rival russo Leonid Scherbakov. Diante do contexto da época não parece casual o reforço da suposta rivalidade entre Brasil e Rússia (algo que merece ser melhor investigado).

O Globo fez questão de publicar uma matéria especial, de página inteira, similar aos infográficos atuais, com vários dados sobre Adhemar (ver figura 1)[ii].

Figura 1: O Globo, 19/3/1955, segunda seção, p.1.

 

Na perspectiva do periódico carioca não se tratava de um feito que seria rapidamente esquecido, mas sim um marco histórico do atletismo. Uma das manchetes destacava que “OS TÉCNICOS E OS LIVROS EM 16 M 48 O MÁXIMO A SER ALCANÇADO POR QUALQUER ATLETA – FEITO SUPERIOR A [Roger] BANNISTER[iii] AO ULTRAPASSAR A ‘BARREIRA DO SOM’ NA MILHA”. Até mesmo uma charge brincava com a ideia da necessidade de nomear uma avenida com o nome do atleta (ver figura 2).

Figura 2: Charge de Constantino, O Globo, 19/3/1955, 2ª Seção, p.1. No texto superior à direita lê-se: Quando Bob Mathias ganhou o decatlo dos Jogos Olímpicos [o decatleta ganhou ouro nas Olímpiadas de 1948 (Londres) e de 1952 (Helsinque)] , a pequena cidade norte-americana de Tulare – onde nasceu Mathias – resolveu mudar o nome em MATHIASVILLE.
Abaixo da imagem lê-se: TURISTA – Ó mister guarda, pode me indicar a Avenida Ademar Ferreira da Silva?

 

 

A conquista, porém, não se dera sem um tom dramático. Dias antes, Adhemar havia sido desclassificado no salto em distância (Última Hora, 15/3/1955, p.12). Certa expectativa cercava, então, o desempenho do triplista. Talvez por isso, a notícia de sua vitória ganhou um colorido de catarse. Os jornais não apenas destacavam que aos “soluços” o atleta dissera que poderia ter saltado mais, como “ninguém parecia acreditar no que a fita métrica afirmava”.  A manchete do Última Hora refletia e, ao mesmo tempo, reforçava os sentimentos de orgulho, identidade e pertencimento compartilhados pela “comunidade imaginada” (Anderson, 2008) ao dar destaque a fala do “grande campeão do mundo”: “VENCI NÃO PARA MIM; MAS PARA O BRASIL” (Última Hora, 17/3/1955, p.12). A importância ao feito era tão grande que o jornal publicou a sequência de fotografias que resultou recorde (ver Figura 3).

Figura 3: Última Hora, 17/3/1955, p.12

 

Dias depois, o Última Hora fazia questão de publicar a opinião do técnico americano Don King que afirmava que o Brasil nas Olímpiadas de 1960 só ficaria atrás dos Estados Unidos e da Rússia; expressando assim que tal sentimento de nacionalidade também passava pelo reconhecimento do olhar do outro, não qualquer estrangeiro, mas o estrangeiro “qualificado” (Última Hora, 19/3/1955, 2º Caderno, p.1).

Isso não significava, por sua vez, que esse sentimento não era alvo de críticas. Uma coluna não assinada destacava em seu título: “BRASIL ENVERGONHA NO MÉXICO”. O texto destacava:

O noticiário aí está diário, doloroso, triste para todos os brasileiros. Nós, que temos a péssima moda de achar que nosso avanço esportivo em determinados setores é ultra espetacular, somos forçados a reconhecer que ainda não atingimos a expressão de outras nações, que somos discípulos, ainda, em esportes que nos julgávamos senhores de primazia (Mundo Esportivo, 25/3/1955, p.2).

O desempenho dos atletas brasileiros, de acordo com a análise, não correspondia às expectativas, à “propaganda” que se torna “ruinosa”, mostrando para nós e – vale destacar – principalmente para o mundo “a nossa inferioridade esportiva” que “mais se acentua entre os países que lá estão representados” (op. cit.). A coluna não deixava de sublinhar a decepção com os resultados dos demais atletas brasileiros, ainda que enfatizasse a importância de Adhemar e do boxeador Luiz Ignácio, responsáveis pelas únicas medalhas de ouro que o Brasil conquistou no México:

Tiremos o chapéu ao fabuloso Adhemar Ferreira da Silva. Saudemos Luiz Ignácio, do boxe, outro campeão, que forma, com o campeão do salto triplo, a dupla que se recomenda na delegação brasileira. Estes dois falam bem do Brasil. […] Verdade dura, duríssima, fruto único da ilusão criada de que nossos índices são compatíveis com o avanço internacional no terreno esportivo. […] Nossas equipes envergonham no México. (Mundo Esportivo, 25/3/1955, p.2).

 

As matérias, por conseguinte, acabavam por reforçar os méritos de Adhemar como também por valorizar as competições internacionais como forma de projeção nacional. Por outro lado, as colunas no jornal Mundo Esportivo contrastam com um sentimento ufanista presente em determinadas coberturas sobre a atuação dos atletas brasileiros. Isso se deu, inclusive, no bicampeonato olímpico de Ademar no ano seguinte em Melbourne (1956). Poucos dias após a notícia de sua vitória, uma pequena nota no jornal esportivo já chamava atenção para apropriação política em torno da exaltação exagerada da nação. Na seção Galeria Branca e Negra, em que eram apresentados os piores e melhores da semana, a “pior coisa” escolhida pelo periódico eram os “urubus e demagogos”; “abutres” que revestiam a conquista de Adhemar com “frases ocas, enfeitadas, demagógicas, estarrecedoras falando em bandeiras, patriotadas etc.” (Mundo Esportivo, 30/12/1956, p.13). De fato, não foram poucas as manifestações, inclusive de políticos, exaltando o feito.

Em todo caso e a despeito de alguns contrastes, prevaleceu um tom festivo e celebratório ao redor do herói e, por associação, da nação. A popularidade e o prestígio de Adhemar, não é demais assinalar, se tornaram bastante expressivos no intervalo entre as duas Olimpíadas. Além da repercussão das conquistas de 1952 e no Pan-americano de 1955, seu nome era frequentemente citado como o maior esportista do Brasil, inclusive por atletas de outras modalidades como o futebol[iv]. Matérias e colunas de jornais sobre “famosos”[v], vi] e “personalidades”[vii], mesmo fora do campo esportivo, se referiam a ele.

Figura 4: Vitória de Luiz Ignácio no boxe (Última Hora, 28/3/1955, p.1).

 

O retorno do triplista ao Brasil não poderia ser menos noticiado. A capa do Última Hora do dia 31/3/1955 saudava o campeão que chegara no dia anterior na cidade do Rio de Janeiro, dando mais um destaque à fala daquele que “abalou os meios esportivos do mundo inteiro, pondo em dúvida até o princípio da lei da gravidade”: “NÃO PODIA FALTAR À CONFIANÇA DO MEU POVO”.

Figura 5: capa do Última Hora do dia 31/3/1955.

 

O Globo, por sua vez, destacava que “O BRASIL AGRADECE AO SEU CAMPEÃO” estampando uma fotografia do então presidente Café Filho apertando a mão do triplista. A recepção foi marcada por uma solicitação do atleta ao presidente, que o tratava o triplista por “meu herói”, de que o governo “ajude o esporte cada vez mais”.

Figura 6: O Globo, 1/4/1955, p.10.

 

Não se sabe ao certo o que aconteceu com a exibição do salto de Adhemar, que seria organizado pelo O Globo. Vale lembrar que o atleta se tornou também repórter do Última Hora. De todo modo, Adhemar de terno deu (talvez a primeira) volta olímpica do Maracanã na final do torneio Rio-São Paulo:

Nem tudo foi tristeza para os cariocas, na noite de football no Maracanã. A presença de Ademar Ferreira da Silva, que fez a volta olímpica sob a ovação da assistência, foi uma nota marcante do espetáculo de ontem. Foram torcedores, cariocas e paulistas, irmanados na homenagem ao grande recordista mundial do salto triplo (O Globo, 1/4/1955, p.12).

Figura 7: O Globo, 1/4/1955, p.12.

 

As construções dos sentimentos de nacionalidades através do esporte é cheia matizes. Passaram também por outras modalidades, além do futebol, merecendo ser melhor investigadas, assim como o uso político do esporte e o uso esportivo da política. Mas esse debate ficará para um próximo post.

***

EM TEMPO: esse post é dedicado à memória de Oswaldo Sérvulo de Faria, que não nos deixava esquecer – mesmo diante das adversidades – de mantermos sempre a esperança, e que possuía grande orgulho de Adhemar ter vestido as cores de seu time, o Clube de Regatas Vasco da Gama.

____________________________

[i] Uma pequena parte dessa história foi escrita com Victor Melo e está inserida no capítulo “Adhemar Fereira da Silva: Representations of the Brazilian Olympic Hero” do livro organizado por Antonio Sotomayor e Cesar Torres, que será lançado em breve.

[ii] O Globo, 19/03/1955, segunda seção, p.1.

[iii] Por exemplo, no Mundo Esportivo a coluna Perguntas e Respostas – dedicada a entrevistar personalidades esportivas, em sua maioria do futebol – comumente perguntava “qual é a maior expressão esportiva do Brasil?”. Com frequência os atletas escolhiam o nome de Adhemar, às vezes seguido de termos como “indiscutivelmente” (ver edições de 23/3/1956, p.2; 27/4/1956, p.2; 11/5/1956, p.2; 25/5/1956, p.15; 15/6/1956, p.3).

[iv] O Cruzeiro, 12/05/1956, p.118.

[v] Última Hora, 12/10/1956, Caderno 2, p.3.

[vi] A Noite, 31/08/1956, 2º Caderno, p.2.