Dorando Pietri e a Maratona do Parque Antártica (1910)

Cleber Dias

cleberdiasufmg@gmail.com

Em 1925, a Federação Internacional de Atletismo consagrou a distância de 42.195 metros como medida oficial das corridas de maratona. Antes disso, corridas a pé que recebiam o mesmo nome, tinham distâncias bastante variadas. Provas de 10, 12, 15, 17, 20, 30, 40 ou 60 quilômetros, poderiam ser igualmente chamadas, sem nenhum problema ou conflito aparente, de corridas de maratonas.

A distância de 42.195 metros coincide com o percurso da maratona da Olimpíada de Londres, em 1908, planejado nesses termos para atender veleidades do rei Eduardo VII, que desejava assistir à largada da corrida do castelo de Windsor. Por essas prosaicas razões, a competição em Londres entrou para o panteão de símbolos do atletismo.

maratona-1908-ruas-de-londres

Maratona da Olimpíada de Londres, 1908.

A maratona de Londres, contudo, marcaria ainda os anais da história do esporte por outra razão. Naquela competição, o corredor a cruzar a linha de chegada em primeiro lugar acabou desclassificado. O italiano Dorando Pietri, ao entrar exausto e desorientado no estádio onde terminaria a competição, desmaiou e foi assistido por árbitros, que quase o carregaram até a linha de chegada. O irlandês Johny Hayes, que cruzou a linha de chegada em segundo lugar, competindo pelos Estados Unidos, protestou e o italiano acabou desclassificado. Hayes foi declarado então vencedor.

chegada-de-dorando-pietro-1908

Chegada de Dorando Pietri, na Maratona da Olimpíada de Londres, 1908

A decisão não encerraria a celeuma, porém. Meses depois, realizou-se em Nova York uma revanche entre Pietri e Hayes. A competição, que consistiu em 260 voltas numa pista construída no Madison Square Garden, foi acompanhada por mais de 10.000 pessoas, ciosas por saber quem era o corredor, afinal. Os dois seguiram praticamente juntos durante todo o percurso, com pequena vantagem para o italiano, que cruzou a linha de chegada menos de 80 jardas e 45 segundos à frente de seu concorrente. Pietri foi carregado em triunfo por seus compatriotas, que já o haviam apoiado intensamente durante toda a competição. O apoio da comunidade italiana, contudo, não impediu que Pietri fosse também vivamente vaiado pelo restante do público, por suspeitas não confirmadas de que, nos últimos metros da corrida, teria aberto os braços para impedir a passagem do adversário. Em maio do ano seguinte uma nova disputa entre os dois foi realizada, com nova vitória de Dorando Pietri, que se consagrou, em definitivo, como um dos melhores corredores de resistência de seu tempo.

 

hayes-e-pietri

Hayes (esq.) e Pietri (dir.), desfilam lado a lado em carro aberto

Pietri já era conhecido no pequeno círculo dos entusiastas das corridas a pé desde antes da olimpíada de Londres. Algumas dessas corridas que tiveram a participação de Pietri chegaram a ser brevemente noticiadas por jornais brasileiros. Depois da competição em Londres, porém, sua reputação ganhou novas dimensões. Pietri tornou-se uma espécie de estrela internacional do esporte. Como parte das vantagens de seu novo sucesso, Pietri viajava por diferentes países participando de competições de corrida com prêmios em dinheiro, o que ele provavelmente já fazia antes, talvez com menor frequência e com pagamentos menos generosos. Um dos lugares onde Pietri estivera com esses propósitos e na esteira do sucesso da Olimpíada de Londres foi o Brasil.

 

pietri-correndo

Dorando Pietri lidera Maratona da Olimpíada de Londres, 1908

Em julho de 1910, em meio ao que parecia ser uma excursão pela América do Sul, Pietri desembarcou no porto de Santos, vindo de Montevidéu, depois de ter participado de uma corrida em comemoração ao centenário da proclamação da república na Argentina, que reuniu mais de 50.000 pessoas em Buenos Aires. Seu destino era a cidade de São Paulo, onde Pietri participaria de uma corrida no Parque Antártica. Antes, teve tempo de participar e vencer uma “maratona” de 17 quilômetros no campo do Velo Club, em Santos, com o tempo de 57 minutos e meio – 15 minutos mais rápido que o segundo colocado.

pietri-gold-cup

Dorando Pietri, com a Gold Cup, conferida pela Maratona da Olimpíada de Londres, 1908

A corrida na qual tomaria parte em São Paulo, amplamente divulgada pela imprensa local, logo gerou grandes expectativas, como era usual em ocasiões como essa. Além da corrida com Dorando Pietri, que oferecia prêmio em dinheiro de 2.000 francos, o evento contaria ainda com outras duas atrações: uma corrida de resistência de 20 quilômetros, em 60 voltas ao redor de um campo de futebol, envolvendo 25 corredores, de 10 diferentes clubes de São Paulo, além de uma exibição de força protagonizada por um tal Ettore Tibério, apresentado como um “Hércules”, “campeão mundial” e “célebre gladiador italiano”; vencedor de diversos campeonatos de luta  na Europa. O anúncio de exibição de força de Tibério prometia o levantamento de um automóvel com 6 pessoas, pesando 1.700 quilos, além de uma luta contra um touro. As letras garrafais dos cartazes que anunciavam o evento prometiam mesmo que Tibério subjugaria a muque um touro bravo.

Mais de 10.000 pessoas dirigiram-se ao Parque Antártica. O jornal Correio Paulistano registrou com cores vivas o modo como transcorreu aquele domingo: “o dia esteve magnífico, e desde cedo começaram a afluir ao parque numerosos automóveis, carros particulares e de praça, charretes e outros veículos, conduzindo senhoras e cavalheiros. Os bondes, partindo da praça Antônio Prado e do Largo do São Bento, chegavam ao Parque Antarctica apinhados de gente até pelos estribos. Muito antes, pois, de começar a maratona, já o parque se achava cheio de pessoas, notadamente as arquibancadas, que repletas de famílias, apresentavam festivo aspecto”.

maratona-londres-publico

Público se amontoa para assistir Maratona da Olimpíada de Londres, 1908

De fato, os bondes que se dirigiam ao Parque Antártica naquele domingo trafegavam inteiramente lotados, transportando “enorme massa de povo”, conforme destacou outro jornal paulista. Mais tarde, o excesso de passageiros, dependurados nos estribos, seria apontado como uma das causas de um acidente que deixou ao menos quatro pessoas gravemente feridas, quando passageiros saltaram de um bonde em movimento, depois de verem surgir uma misteriosa e inexplicável fagulha. Nem contratempos desse tipo, contudo, foram capazes de arrefecer o entusiasmo com as corridas e exibições de força que se anunciaram.

Precisamente às duas horas e quarenta e cinco minutos da tarde, teve início a primeira maratona do dia, entre corredores de clubes de São Paulo. Urbino Taccola, do Club Esperia, completou todas as voltas ao redor do campo em 1 hora e 29 minutos, sagrando-se vencedor. A corrida parece ter despertado algum interesse, mas era apenas o início de uma prometida tarde de diversões. Na sequência, Ettore Tibério iniciou suas demonstrações de força, levantando com os braços uma espécie de barra de ferro de 60 quilos, antes de a torcer sobre os ombros. Depois, do alto de um estrado, sustentou o peso de um automóvel com 5 pessoas, e não 6, conforme anunciaram os cartazes do evento. A diferença deve ter decepcionado alguns espectadores, mas sem ainda prejudicar o espetáculo, que prosseguiu normalmente. Tibério iniciou então a luta com o touro, no que deveria ser o ponto alto de sua apresentação. O touro, entretanto, mais uma vez diferente do que prometiam os anúncios, “não era mais que um bezerrão”, “manso como um cordeiro”, como registraram languidamente os jornais do dia seguinte. Após alguns breves e poucos momentos de luta, Tibério não o derrubou propriamente, senão apenas conseguiu fazê-lo ajoelhar. O público, a essa altura já bastante desapontado, manifestou logo a sua impressão por meio da vaia.

Restava ainda a corrida de Dorando Pietri, que enfrentaria um tal Monte Neves, apresentado como “o campeão argentino”. Dez minutos após a partida, Pietri já estava três voltas à frente de seu adversário. Na quinta volta, de um total previsto de 60, Monte Neves abandonou a pista. A decepção foi geral e o público explodiu em fúria, vaiando longamente o “campeão argentino”, que não satisfeito, reagiu, fazendo gestos obscenos para a plateia. Conforme dissera um cronista anônimo do jornal Correio Paulistano, em palavras insubstituíveis, “o público não aceitou tal atitude com a mesma disposição com que se aceita a dádiva de uma boa fruta”. Com todos os ânimos exaltados, Monte Neves foi preso por ofensas à moral, com base no artigo 282 do código penal da época.

Na delegacia, Montes Nunes revelou ao 4º subdelegado de Santa Ifigênia tudo o que estava por trás da maratona do Parque Antártica. Ettore Tibério, que promovia o espetáculo, o contratara para demarcar raias da corrida, fixar bandeiras no campo e executar outros serviços. Por um valor adicional, Tibério lhe sugeriu também competir contra Dorando Pietri, sustentando que era campeão de corridas na Argentina – o que era obviamente mentira. Montes Nunes dissera ainda que foi o próprio Ettore Tibério, em pessoa, quem lhe pregou ao peito a fatídica bandeira argentina com que participou da corrida.

Montes Nunes acabou condenado a 3 meses e 15 dias de prisão – não sabemos ao certo se por ofensas à moral ou qualquer outro motivo. Nada sabemos também sobre o destino de Ettore Tibério. Infelizmente, não sabemos também se Dorando Pietri foi implicado no assunto, embora não pareça ter sido o caso, pois mesmo depois de tudo revelado, a imprensa paulista seguiu destacando suas capacidades atléticas, sem vinculá-lo, em nenhuma medida, a toda trama farsesca da maratona do Parque Antártica. Em novembro de 1910, Pietri já participava de corridas em Roma.

____________________________________

* Todas as imagens disponíveis em http://mentalfloss.com/article/31449/scenes-1908-london-olympic-marathon.

Anúncios

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: